segunda-feira, 21 de julho de 2008

CONFUSÕES

A pergunta que sempre venho me fazendo é por que sempre fazemos confusões para depois tentar compreender o que nós mesmos confundimos?
Estranho, porém real...
Diante de seu mundo confuso e sem fim, Marieta sentiu que tudo estava começando a tomar forma. Começou a ficar mais animada e feliz diante da compreensão das coisas que a incomodavam. A sensação era de que tudo estava fluindo melhor, novas pessoas conheceu, contagiava a cada dia seus amigos e assim, fortalecia suas amizades. Parece que tudo fazia mais sentido e sentia-se mais forte a tomar suas decisões.
Porém, existe um outro detalhe que pode mudar completamente o rumo daquilo que flui: a INSTABILIDADE...
Marieta acordou incomodada e agitada. Parece que tudo o que sentia quando não tinha certeza de onde ir e o que fazer estava voltando.. Era exatamente o mesmo sentimento, a mesma ansiedade... Teve um sonho que a perturbou e isso fez com que uma instabilidade tomasse conta do seu ser e fez desestruturar tudo aquilo que pelo menos achava que tinha encontrado respostas.
Ela já não sabe mais....

sexta-feira, 18 de julho de 2008

POSSIBILIDADES...

Pensei nas escolhas...
Era uma vez, uma garota que acreditou no seu sonho e lutou por ele. Ela buscava um mundo justo, buscava a felicidade.
Imaginava sempre como poderíamos fazer a nossa parte para que fizesse a diferença no todo. E mais, como se permitir a isso, diante de tanta indiferença, preconceito e ignorâcia.
Um dia, Marieta decidiu que daria um chance a si mesma.
Mergulhada em seu mundo, pensava: "Como sair do lodo em que me permiti afundar? O tempo está passando.. A vida está passando... Como acreditar mais nas pessoas? Ser mais presente àquelas com quem convivo? Como me permitir mais a fazer o que tenho vontade e acredito?" E chorou...
A vida é feita de escolhas. Escolhas erradas fazem parte... Afinal, ninguém é perfeito! A maior lição é como transformar nossos erros e fraquezas em aprendizado e possibilidades....

segunda-feira, 14 de julho de 2008

O MAR

Belo dia, Marieta viu o Mar e se entregou... Flutuou, pensou, agonizou e se encontrou nos mais obscuros questionamentos do viver...
"Oh vida ingrata, que faz perder-me de mim mesma e não encontrar mais sentido no que sempre amei e acreditei... O que fazer com aqueles que amo? O que faço com a amargura que sinto ao ver o Sol por não saber que rumo tomar a cada dia? E quanto a Lua e as Estrelas do céu, que me fazem lembrar ainda mais da solidão que me mata a cada dia? E os meus amigos? A minha família? A mim?........".
Mas não era hora de partir...

domingo, 13 de julho de 2008

UM DIA, de Quintana...

Não poderia deixar de postar neste blog algo de profunda reflexão e pelo qual as palavras me fascinam, de Mário Quintana....


Um dia descobrimos que beijar uma
pessoa para esquecer outra
é bobagem.

Você só não esquece a outra
pessoa como pensa muito
mais nela....

Um dia percebemos que as
melhores provas de amor são
as mais simples...

Um dia percebemos que o
comum não nos atrai...

Um dia saberemos que ser
classificado como o "bonzinho"
não é bom...

Um dia perceberemos que a pessoa
que nunca te liga é a que mais
pensa em você...

Um dia saberemos a importância
da frase:
"Tu te tornas eternamente
responsável por aquilo que cativas..."

Um dia percebemos que somos
muito importantes para alguém,
mas não damos valor a isso...

Enfim... um dia descobrimos
que apesar de viver quase um século
esse tempo todo não é suficiente
para realizarmos todos os
nossos sonhos,

para beijarmos todas as bocas
que nos atraem, para dizer tudo
o que tem que ser dito
naquele momento.

Não existe hora certa para dizer o
que sentimos se quem estiver
te ouvindo não te compreender,
não te merecer...

O jeito é: ou nos conformamos com
a falta de algumas coisas na nossa
vida ou lutamos para realizar
todas as nossas loucuras...

Quem não compreende um olhar
tampouco compreenderá uma
longa explicação...

sábado, 12 de julho de 2008

DESAPEGO

Será que é fácil desapegarmos das coisas pelas quais damos forma, alimento, amor, carinho?
Palavra intrigante....
Desapego é indiferença, é o despreendimento de tudo e de todos, quando percebemos que tudo, na verdade vira nada.... E fluimos...
Marieta mergulhou em sua primeira história.. E se deixou envolver por tudo, até mesmo porque seu momento naquela época não era dos melhores... Estava triste, sozinha, deprimida. E quase se entregou por completo ao primeiro que passou a mão em seus cabelos, quase que dizendo nas entrelinhas: "estou aqui"...
O preço que ela escolheu pagar pelo que era diferente, perigoso e arriscado, acabou se transformando no apego... Ela quase se perdeu! Tudo isso simplesmente porque quase se esqueceu que tinha vida, e que ela tinha de viver sua própria vida e não a vida de outra pessoa! Reflexões, reflexões, reflexões......

O PAGAMENTO

As pessoas sempre pagam.... Pagam o tempo todo por coisas materiais que lhes proporcionem prazer, pagam por serem felizes, pagam por amar...... Quando frustadas, sofrem, e sofrem muito.
Marieta e suas histórias...
Um dia, ela quis pagar um preço... O preço de se aventurar por ter alguém... Alguém que achou diferente, interessante, misterioso... e que tinha a ver com ela. Ele tinha muitas histórias e ainda, que sabia como envolver uma mulher..... E ela foi... Decidida a viver o que tivesse por vir. Mais uma experiência, quem sabe...
Mas Marieta não sabia a imensidão da história.. Tão pouco, que se tornaria a protagonista da própria história que escolheu.... E começou a pagar o preço do arriscar-se, de gostar das coisas perigosas.... E assim, nasceu mais uma história.