quarta-feira, 29 de abril de 2009

Sem palavras

Tenho saudade das noites de vinho...
A sensação do limite ficava cada vez mais distante
Só queria expressar o turbilhão de idéias, sensações e vontades que tomavam conta de mim
De simplesmente dizer e fazer tudo aquilo que gostaríamos de viver...

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Diário de um homem triste

Será possível mais uma vez, eu aqui? No mesmo lugar e na mesma situação?
Meus amigos não me animam, a bebida tenta me confortar, minha casa tem sido meu refúgio e meu inferno...
Ando por aí, observo as pessoas, cada movimento, suas faces, e tenho a sensação de que elas não tem tantos problemas e decepções como eu.. Ou será que deixo transparecer demais o que sinto perante as pessoas?
Tento me dar chances para amar, voar, mas ultimamente só sei chorar... Parece que no meio do caminho a estrada termina. Motivos? Na minha cabeça, vários plausíveis. É claro que sempre o outro é mais problemático que eu... Ou será que estou no auge dos meus problemas ou do meu fim e afasto as pessoas queridas de perto de mim?
Um dia, um homem que se dizia sábio, me contou que vale mais olharmos para dentro de nós e nos encontrar a ficar esperando que os outros mudem pelo simples fato de querermos que o seja da nossa maneira. Em várias passagens, até acho que ele tinha razão...
Os dias vão se passando, e vou tentando seguir o meu caminho: ora feliz, ora triste, ora triste por demais... Tem horas que até parece que vou morrer de tanta tristeza!
Apesar disso tudo, acho que sou um homem forte e capaz de ser feliz um dia desses. Quero um novo amor, quero ver meus filhos crescerem, quero mais alegria!
Que Deus me proteja...

quarta-feira, 22 de abril de 2009

A História da Pipoca

Eu ainda falando de Rubem Alves...
Do mesmo livro citado na postagem anterior, Rubem retratou através da crônica A Pipoca, a nossa capacidade de sonhar e fazer relações metafóricas inteligentes e de grande significado; a pipoca e o ato de pensar...
É uma reflexão inspiradora e realista.
Compartilho aqui um trecho que gosto muito.

"...Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho para sempre.
Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo, fica do mesmo jeito a vida inteira. São pessoas de uma mesmice e uma dureza assombrosa. Só que elas não percebem e acham que seu jeito de ser é o melhor jeito de ser.
Mas, de repente vem o fogo. O fogo é quando a vida nos lança uma situação que nunca imaginamos: a dor. Pode ser fogo de fora: Perder um amor, perder um filho. O pai, a mãe, perder um emprego ou ficar pobre.
Pode ser fogo de dentro: pânico, medo, ansiedade, depressão ou sofrimento cujas causas ignoramos. Há sempre o recurso do remédio: Apagar o fogo! Sem fogo o sofrimento diminui. Com isso, a possibilidade de grande transformação também. Imagine a pipoca fechada dentro da panela, lá dentro cada vez mais quente, pensa que sua hora chegou: Vai morrer!
Dentro de sua casca dura fechada em si mesma, ela não pode imaginar um destino diferente para si. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada para ela. Ai sem aviso prévio, pelo fogo a grande transformação acontece: Boom!!! E ela aparece como uma outra coisa completamente diferente. Algo que ela mesma nunca havia sonhado.
Bom, ainda existe o milho que se recusa a estourar. São como aquelas pessoas que por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem. A presunção e o medo são a dura casca do milho que não estoura.
No entanto, o destino delas é triste já que ficarão duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca, macia e nutritiva. Não vão dar alegria a ninguém. Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo da panela ficam os piruás que não servem para nada. Seu destino é o lixo..."

Aos Apaixonados

Rubem Alves em seu livro "O Amor que Acende a Lua", escreveu no capítulo Aos Apaixonados um pequeno poema de Pearls, que há tempos aprecio e que ilustra no meu ponto de vista, aquilo que chamamos de relacionamento moderno; possibilidade de uma relação sem gaiolas...

"Eu sou eu.
Você é você.
Eu não estou neste mundo para atender
as suas expectativas
E você não está neste mundo para atender
as minhas expectativas
Eu faço a minha coisa
Você faz a sua
E quando nos encontramos
é muito bom."

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Acerca de Marieta

Marieta,
Menina, mulher, diferente de muitas, enfim.
Vive de momentos, foge da rotina, ri, chora, tem esperança, às vezes só falta morrer.
Tem um amor, cultiva uma paixão, é intensa, uma bela mulher...
Sofre com a solidão, sabe como superá-la, não se entrega facilmente; coisa de gente fraca.
Em seu mundo se perde, para ser feliz ou esconder-se dos seus tormentos...
E nunca está só...

domingo, 12 de abril de 2009

Espólios da Páscoa

Enfim, passamos mais um domingo de Páscoa, família reunida e muitos chocolates...
Apesar desta data importante em nosso calendário, refleti sobre inúmeras outras coisas por conta de muita leitura e do sossego proporcionado por um final de semana na praia.
Pensei na minha família, nos meus amigos, na minha vida...
Ainda, no simples fato de como também silenciamos até nossos próprios pensamentos ou abrimos mão de toda uma vida por acontecimentos que marcaram para sempre nossos destinos e nos transformaram em outras pessoas de alguma forma.
Isso tudo me fez lembrar do livro "O Silêncio dos Amantes" da Lya Luft, autora que aprecio muito. Esta obra é um romance fragmentado numa porção de histórias sobre a solidão, os conflitos humanos, a morte, mistérios, beleza... Tudo a ver com a minha "viajada" do final de semana.
Diante de tudo isso, o que eu trouxe para minha casa, onde estou neste momento tentando sintetizar todos os meus pensamentos, foi que toda experiência nos fortalece de alguma forma para o bem, e certamente a cada vitória ou frustração, nos transformamos em pessoas melhores.
Cada experiência nossa vira uma história, que tendo um final feliz ou não ao longo dos anos, será uma lembrança eterna que nos fizeram ser o que somos....