domingo, 30 de maio de 2010

Sobre as mentiras...

Falar sobre a mentira é algo complicado...
Ninguém gosta de pessoas mentirosas por perto. Preferimos prezar pela sinceridade, pela cumplicidade e pelo respeito nas relações.
Só que muitas vezes somos colocados em situações em que, como dizem, se omite coisas para não dizer que mentiu. Mentira é uma palavra muito forte e negativa...
Quando se mente, certamente é para se proteger, ou proteger o outro. O problema é quando essa mentira se torna prejudicial para ambas as partes, ou é de má fé.
Quando eu era adolescente, por exemplo, eu não contava para minha mãe sobre os meus namorados embora ela insistisse muito em saber... Até que em um determinado momento ela descobria e me dava uma bronca.  Sempre ficava tudo bem depois, e até que fui aprendendo a falar sobre essas coisas... E assim, aprende-se lições seja por insegurança, seja por imaturidade...
Eu não gosto de mentir e tão pouco que mintam para mim.
O que você pensa sobre isso?

domingo, 23 de maio de 2010

O que você anda espalhando pela vida?

Quantas pessoas será que já pararam para pensar sobre o que já espalharam por essa vida?
Penso que deixei muito mais coisas boas que ruins..
Na infância, fui marcada pela timidez que fazia com que as pessoas se aproximassem mais de mim para me ajudar a perder a vergonha, e por compartilhar meus brinquedos e lanches com minhas coleguinhas de sala que não tinham o que comer e brincar no horário do recreio.
Colei e passava cola no colégio, passava na média e assim, reuni esta passagem e muitas outras histórias pra contar sobre esta época. Vivia na turma do fundão e ainda assim tentava ser uma boa aluna. Fumava no fumódromo do colégio escondida para evitar conflitos em casa... Minha mãe era contra (e ainda é).
No vestibular tentava fazer minhas provas com responsabilidade, visto que sempre na noite anterior rolava uma balada com a galera do colégio nas cidades que combinávamos de viajar juntos.
Meu projeto de faculdade era festar muito. Festei na medida do possível, acabei me tornando uma "senhoura" e assim, tive um filho lindo!
Minhas escolhas me levaram a ser precoce...
Ao longo dos anos consquistei várias amizades, desfiz muitas, adquiri muitas responsabilidades... Graças aos anjos que me protegeram, e me protegem até hoje...
Fui muito impulsiva, já fiz o que não devia, amei demais, chorei demais...
Das loucuras, não vale a pena postar aqui... Foram muitas, que certamente me deixaram lições para refletir ao longo da vida. Não me arrependo de nenhuma delas. E assim, construi parte da minha história com esses momentos.
Fazendo o balanço final, acho que plantei muitas coisas boas, principalmente muito amor e muita alegria! Coisas essas que tem me permitido compartilhar com meus amigos, minha família e todos aqueles que convivem próximos a mim!
E você, o que anda espalhando pela vida?
Boa semana!

terça-feira, 18 de maio de 2010

Hoje, além de não ter nem a lua e nem as estrelas do céu,
também não tenho um abraço...
um afago seu...

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Coisas Minhas...

E assim, o dia amanheceu cinza e chuvoso...
Carregado de tristezas e reflexões...
Talvez tivesse que ser assim
Para que eu pudesse repensar alguns valores,
E assim, desacelerar...
Seja o que Deus quiser...

domingo, 16 de maio de 2010

Dança Flamenca!

Ontem a noite, fui com minha Pati assistir uma apresentação de dança flamenca no Realejo, pelas alunas do estudio Flor de Lotus, onde ela mesma dançou por muito tempo lá.
Sempre achei a dança lindíssima, mas nunca havia tido inspiração em aprender a dançar alguma coisa nessa vida.
Dava para perceber nas dançarinas o quanto elas se desconectavam do bar e entravam num universo só delas... Sem contar os olhinhos da Pati que brilhavam em ver!
Bater os "tacones" como diz ela e o movimento do corpo e braços realmente encantam e nos envolve.
Segundo a Flávia, amiga da Pati: "É desestressante!"
Por isso e outras coisas resolvi que vou aprender a dançar também! "Por que la vida se baila..."
Bom domingo!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Canções que eu gosto!

Pra te Lembrar
(Nei Lisboa)

Que que eu vou fazer pra te esquecer?
Sempre que já nem me lembro
Lembras pra mim
Cada sonho teu me abraça ao acordar
Como um anjo lindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nem um adeus pode apagar.
Que que eu vou fazer pra te deixar?
Sempre que eu apresso o passo
Passas por mim
E um silêncio teu me pede pra voltar
Ao te ver seguindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nem um adeus pode apagar.
Cada sonho teu me abraça ao acordar
Como um anjo lindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nem um adeus pode apagar
O quê que eu vou fazer pra te lembrar?
Como tantos que eu conheço
E esqueço de amar
Em que espelho teu
Sou eu que vou estar?
A te ver sorrindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nem um adeus vai apagar.
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nem um adeus vai apagar.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Na Escuridão...

Quando tudo pareceu ter estabilizado, teve a surpresa: ela claramente pôde perceber o quanto sua vida estava doentia e sem brilho; que já não caminhava mais sem os alopáticos e que estava prestes a se entregar...
Sempre fora atrás daquilo que quis. Muitas coisas ganhou, mas muitas perdeu. Quanto as perdas, superou-as, mas apenas uma hesitara em cicatrizar; ferida incurável....
A noite passada estava mais negra que as outras. Cada minuto tornara-se insuportável e o tempo que ela queria terminar, apenas retardava.
Sem que percebesse, uma anjo pousou sob seu leito e disse: "Ainda não chegou a sua hora. Viva. Eu amo você".
E ela adormeceu...

domingo, 9 de maio de 2010

Ser Mãe...

É difícil falar sobre ser mãe. É uma tarefa dura, mas ao mesmo tempo gratificante. Fico até sem saber o que dizer só em ver esta foto, por exemplo...
Quando adolescente, reprovava muitas das ações da minha mãe e não entendia que era para o meu bem. Nossa rotina era um pé de guerra e a convivência era difícil... Eu não conseguia compreender...
Muita nova, encarei esta tarefa. Aos 20.
Tive um garoto lindo! Contudo admito minhas limitações e maturidade para lidar com uma criança que era minha, só minha e naquela fase da vida. As vezes me desesperava quando o Matheus se desesperava, só que me derretia muito mais quando ele me surpreendia.
Aprendi que para ser mãe, não existe idade certa, não existe barreiras quando se abraça a causa. Achei que um filho anularia minha carreira e consequentemente minha vida, mas vejo hoje que não foi bem assim. É claro que os filhos estão em primeiro lugar, mas tudo se pondera para que tanto ele como nós possamos viver felizes. Minha mãe tem um papel fundamental na criação do meu filho e ele reflete a educação que tem recebido! E na minha vida também, lógico. Não que nunca tivesse, mas hoje temos uma relação mais madura. Se não fosse ela...
Hoje, o Matheus tem 6 anos e é uma criança adorável! Carinhoso, companheiro, cheio de saúde e muito inteligente. Não sei o que teria sido da minha vida se ele não existisse! Talvez eu nem estivesse mais aqui...
Na quinta-feira teve a festinha de dia das mães na escola dele. A cada ano, quando ele se apresenta fico muito emocionada e vejo o quanto ser mãe vale a pena!
Feliz Dia das Mães!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

A dura realidade...

A cada dia sentimos na pele o preço de cada escolha e decisões que somos obrigados a tomar, por mais alegre ou dura que seja.
Pela concorrência acirrada e cobranças sob as quais somos submetidos seja no trabalho ou pelas pessoas próximas, por muitas vezes sentimos um desejo enorme de entrarmos num "casulo"com todos os tipos de proteção e ficarmos quietinhos até a mente acalmar.
Toco neste assunto porque tive dois momentos muito duros esta semana que envolvem o meu trabalho. Muitas pessoas acreditam que ter uma posição de liderança é ter muitos privilégios e vida boa. Só que não é bem assim. A medida em que você cresce profissionalmente, as responsabilidade aumentam e ninguém pode fazer por você. Você é o responsável. Se vire! Além disso, a carga de estresse é tão alta que não nos deixa descansar...
Eliminar pessoas do teu grupo de trabalho, por exemplo, é uma das piores práticas que uma pessoa pode cometer para com a outra. Porém, quando acontece, tem-se evidências suficientes que nos levam a tomar essa decisão, com o propósito de mantermos a ordem e a satisfação do todo que você tem que "cuidar"...
A revolta, tristeza, frustração para quem foi existe, sem dúvida alguma. Quem tem a missão de comunicar, do dia para noite passa do colega de trabalho para o papel de bruxa ou monstro, que não tem senso de humanidade e consideração pelo próximo.
Quem não tiver a cabeça no lugar, certamente pode carregar essa culpa por muito tempo. Eu quase me achei um monstro esses dias, mas a razão me disse que meu dever era promover a satisfação coletiva...
E assim, não virei monstro!
Pense nisso!

domingo, 2 de maio de 2010

Sobre os Livros....

Se tem uma coisa que amo nesta vida são livros!
Para todas as horas, sempre tem aquele que cai como uma luva, que parece ter sido escrito para nós naquele momento.
Quando criança, me lembro que na terceira série tinhamos que ler muitos livros e registrar o nome de cada um deles na última folha do caderno de Português. Na minha cidade, só existia o acervo da escola e da biblioteca municipal (o que não mudou, infelizmente, até hoje). Naquele ano, fui premiada como a aluna da turma que leu mais livros e me orgulhei demais daquilo! Ganhei um livro!
Hoje, continuo amando literatura como naquela época. Sou louca por romances e biografias.
Os livros tem a magia de nos transportar para o universo da história, de aguçar nossa crítica e de nos fazer sonhar. Se você me perguntar hoje qual foi o livro mais marcante da minha vida, não saberia responder, pois vários foram os autores que me tiraram do chão e me deixaram grandes lições; Nietzche, Schopenhauer, Fernando Pessoa, Rubem Alves, Cecília Meireles, Lya Luft, Clarice Lispector, Chico, Saramago, entre muitos outros.
E você, sabe qual é seu livro?